.

terça-feira, 2 de junho de 2015

Cair na Unção de Deus, o que é?

CAIR NA UNÇÃO DE DEUS, OU FANEROSE


Devido a enorme polêmica que é gerada ao ver pessoas sendo ministradas ou não com imposição de mãos e estas caindo no chão da igreja. 


Viemos elaborar este estudo para que os nossos membros tivessem a certeza de que isto acontece pelo poder de Deus e apenas pela vontade do próprio Espírito Santo que é quem traz essa unção para igreja.

Não estamos afirmando como doutrina que todas as vezes que recebemos um tratamento ou unção do Espírito Santo temos de ser arrebatados ao chão, porém viemos esclarecer que temos vários relatos desse tipo de experiência que identificamos na bíblia sagrada e nos grandes avivamentos reconhecidos até o dia de hoje.

Mt 9:17 “Nem se deita vinho novo em odres velhos;aliás rompem-se os odres, e entorna-se o vinho, e odres estragam – se;mas deita – se vinho novo em odres novos, e assim ambos se conservam”.Esse é o princípio para se entender essa unção, devemos estar aberto para receber o vinho novo do avivamento que o Espírito Santo esta derramando nos ministérios e pessoas que estão sedentas por mais de Deus, ou seja, não colocam limites em um Deus que é ilimitado, um Deus cujo os seus pensamentos são maiores do que o nosso (Is 55:9), pois é necessário ter e ouvir a voz do Espírito Santo para poder compreender as coisas de Deus (ICo 2:13-16).

1 – Versículo com interpretação errada usado por alguns que tenta negar essa manifestação de poder de Deus:

O cair é do homem e o levantar é de Deus.

Leia Sl 37:24 e veja a verdadeira hermenêutica bíblica :ainda que o homem bom(vers 23)caia (significando ser humilhado,surrado (conf Lc 10:33-35 ; novo comentário da bíblia de F. DAVIDSON ed. Vida Nova) o Senhor o colocará de pé.

CAIR NO PODER É BÍBLICO?

Vamos descrever para você alguns textos que relatam essa experiência com alguns personagens da bíblia sagrada e os seus fins.

A – Gn 2:21 – Deus fez cair um sono em Adão para tirar a sua costela.

TRATAMENTO: Para que Deus operasse na vida de Adão sem que ele sentisse dor, o Senhor o deixou dormindo para tocar em seu corpo. Se alguém te operasse mesmo dormindo sem efeito de anestesia você sentiria dor? Claro que sim, ou seja, Deus o deixou imóvel e sem poder sentir dor para tratar com o seu corpo. Muitos caem e ficam no chão sem se mover para que Deus trate com a pessoa sem dor, é o que acontece quando ministramos o pedimos para o Senhor aplicar uma anestesia espiritual.

B – IICrônicas 5:13, 14 “E aconteceu que, quando eles tocavam as trombetas, e cantavam, para fazerem ouvir uma só voz, bendizendo e louvando ao senhor; e levantando eles a voz como trombetas, címbalos, e outros instrumentos musicais, e louvando ao senhor, dizendo: porque ele é bom porque sua benignidade dura para sempre, então a casa se encheu de uma nuvem a saber a casa do senhor; E os sacerdotes não podiam permanecer em pé, para ministrar por causa da nuvem; por que a glória do senhor encheu a casa de Deus”.

UNÇÃO E PODER DE DEUS: Quando o Senhor derrama uma grande porção da sua unção, ou quando é muito alto o nível de unção em um lugar muita das vezes caímos pois quem somos nós para resistirmos ao poder de Deus.

Vou ilustrar uma experiência para você: se colocarmos qualquer material de metal para queimar em oxigênio 50%, vamos ter um tipo de combustão mas se colocarmos oxigênio a queima será maior e mais rápida. Quando sentimos a presença de Deus de intensidade pequena sentimos arrepios mas quando a presença de Deus é muito grande podemos cair, rodar,ter experiências muito maiores do que um simples arrepio.

C – Daniel 10:8-9 “Fiquei pois eu só a contemplar a grande visão, e não ficou força em mim; desfigurou-se a feição do meu rosto, e não retive força alguma.
Contudo, ouvi a voz das suas palavras; e, ouvindo o som das suas palavras, eu caí num profundo sono, com o rosto em terra.”

EXPERIÊNCIA COM DEUS: Daniel caiu em terra ao ter uma visão que o Senhor lhe proporcionou.
tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, 11 casos de pessoas que caíram prostradas, com o rosto em terra, em sinal de adoração a Deus

D -: At 9.4 “E, indo no caminho, aconteceu que, chegando perto de Damasco, subitamente o cercou um resplendor de luz do céu; e caindo em terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues?”

EXPERIÊNCIA COM DEUS (SALVAÇÃO E CHAMADO) – Essa experiência deu início a grande mudança na vida de Paulo, experiências com Deus é um fator de extrema importância na vida dos crentes,pois quando sentimos a essência do que pregamos, pregamos com total convicção.

E – At 10:10 – “E tendo fome, quis comer; e, enquanto lho preparavam, sobreveio-lhe um arrebatamento de sentidos,”
MENSAGEM PROFÉTICA E TRATAMENTO: Antes que alguém fale que ele caiu com fome, vamos lhe explicar que Deus usou o seu momento de fome apenas para descrever a sua mensagem profética na qual falava de alimentos considerados imundos. Além da mensagem que preparou Pedro para ver Cornélio, Jesus tratou da natureza discriminatória de Pedro quanto aos gentios.

F – Ap 1:10 “Eu fui arrebatado no Espírito no dia do Senhor, e ouvi detrás de mim uma grande voz,como de trombeta,”
MENSAGEM PROFÉTICA: Para ser arrebatado no Espírito é impossível ficar em pé.

G – Ap 1:17 “E eu, quando vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o promeiro e o último;”
REVELAÇÃO FACE A FACE DE JESUS: João não agüentou a presença de Jesus em seu estado de glória.

H – Jo 18:5-6 “Responderam-lhe: A Jesus, o nazareno. Disse-lhes Jesus: Sou eu. E Judas, que o traía, também estava com eles. Quando Jesus lhes disse: Sou eu, recuaram, e cairam por terra”.
EXPERIÊNCIA COM QUEM NÃO SERVE A JESUS: Após Jesus se identificar com sua autoridade os ímpios caíram, porque quando o mestre se revela a alguém não há quem resista.



I – NÃO HÁ LIMITES PARA SERMOS TOCADOS OU SAIR DA PRESENÇA DE DEUS

Quando o Espírito Santo está agindo sobre as nossas vidas. Leia (ISm 19: 20 – 24) Saul ficou nu por terra profetizando toda uma noite porque o Espírito de Deus estava sobre ele.

2 – E AS QUE FICAM TREMENDO SÃO BÍBLICOS?

Resposta para aqueles que ficam tremendo o corpo em pé ou quando caem: Leiam At 9:6, Dn 10:11.


3 – VAMOS CITAR ALGUNS AVIVAMENTOS  E ONDE OCORRERAM

Carl Brumback no livro “Que Quer Isto Dizer? (O S. Boyer, 1960), diz: “Como os críticos gostam de descrever os acontecimentos nos cultos pentecostais! Como se regozijam de se referir à maneira de eles tremerem, clamarem, dançarem, caírem e, então, dirigindo-se ao interessado perguntar seriamente: “isso tem alguma coisa em comum com o relato calmo e solene das Escrituras”.

O interessado se for um verdadeiro estudante das Escrituras, pode retrucar: “A qual relato calmo e solene das Escrituras se refere?

Ao relato do Pentecostes, quando as manifestações extraordinárias e barulhentas levaram os zombadores a dizerem: “Estão embriagados”? Ou refere-se a história da cura do coxo, que deu “um salto, pôs-se em pé e, começou a andar; e entrou no templo, andando, saltando e louvando a Deus?” Ao relato em Atos 4, onde os discípulos “levantaram unanimemente a voz?”

A Saulo que caiu sob o poder de Deus? Ao regozijo e louvor a Deus em alta voz da multidão na entrada triunfal, o qual o Senhor Jesus apoiou, dizendo: “Declaro-vos que, se estes se calarem, as pedras clamarão”?

0 livro “O Fogo do Reavivamento” de Wesley Duewel (Editora Candeia, pg. 53) afirma que enquanto João Wesley pregava, “inúmeras pessoas caíram ao chão como se atingidas por um raio”. George Whitefield, companheiro de Wesley diz que quando pregou em Edimburgo em junho de 1742 “… durante uma hora e meia houve tanto choro, tanta aflição, manifestada de várias formas, que fica impossível descrever.

O povo parecia estar sendo atingido às centenas. As pessoas eram carregadas e levadas até suas casas como soldados feridos num campo de batalha. Sua agonia e gritos eram profundamente comoventes” (ibid pg. 58). Ele acrescenta o que aconteceu no dia 3 de outubro numa reunião que começou as 8.30 da manhã e terminou as 8.30 da noite: “Vi 10.000 pessoas afetadas num instante, algumas com alegria, outras com choro… algumas desmaiando nos braços de amigos” (pg. 59).

Um outro avivamento aconteceu nos dias de Finney. Onde ele pregava as pessoas caíam sob o poder de Deus. Diz o texto que, enquanto Finney pregava “a congregação começou a cair de seus assentos, e caíam em todas as direções, pedindo misericórdia” (ibid pg. 87). “Algumas pessoas desmaiavam sob a convicção nos cultos da igreja e outras mais tarde em suas casas” (pg. 90). As biografias de Finney falam deste mover de Deus que derrubava as pessoas no chão!

No avivamento de Cane Ridge em 1801 nos Estados Unidos um pastor presbiteriano relata: “O que vi foi para mim novo e realmente extraordinário… Muitas e muitas e muitas pessoas caíram ao chão, como homens mortos na batalha, e continuaram neste estado durante horas a fio, num estado aparentemente sem respiração e inerte – às vezes reavivando-se por alguns momentos e exibindo sintomas de vida através de um profundo gemido, ou de um grito penetrante e agudo…” (Idem pg. 31)

OBS: Devemos tomar muito cuidado com o que pensamos ou falamos dessas manifestações do poder de Deus, pois muitos atribuem isso a quem é mentiroso e enganador, ou seja, satanás e não a Deus.

Frase de Wesley: “Satanás, igualmente, imitava essa obra de Deus, para desacreditar toda a obra…. no início foi, sem dúvida, inteiramente de Deus. A sombra não desacredita a substância, nem o diamante falso deprecia o verdadeiro”. E isto em 1759!
Mt 12:31 “Portanto eu vos digo: Todo o pecado e blasfêmia será perdoado;mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada aos homens.

Conclusão: Portanto na bíblia e também em grandes avivamentos depois da era apostólica o Espírito de Deus promoveu manifestações destes tipos que estudamos hoje. Portanto Ele só precisa que você abra o seu coração para receber de Deus tudo a unção que está disponível para nós nos dias de hoje, procure o batismo com o Espírito Santo e seja cheio dele pois o Senhor o enviou para nos ajudar, não rejeite aquilo que Deus preparou para a sua vida por meras concepções tradicionalistas do homem.
(Jo 14:23 -26).



1.  A força de uma visão nitidamente celestial

As visões, na Bíblia, tinham uma força impressionante. Agitavam, enfraqueciam e até deitavam por terra homens santos de Deus. Que o diga Daniel. Já encerrando o seu livro, o profeta registra esta formidável experiência: “Fiquei, pois, eu só e vi esta grande visão, e não ficou força em mim; e transmudou-se em mim a minha formosura em desmaio, e não retive força alguma. Contudo, ouvi a voz das suas palavras; e ouvindo a voz das suas palavras, eu caí com o meu rosto em terra, profundamente adormecido” (Dn 10.8,9).

Em sua primeira visão, Ezequiel também se assusta com o que vê. Ele se apavora: “Este era o aspecto da semelhança da glória do Senhor; e, vendo isso, caí sobre o meu rosto” (Ez 1.28). Sem liturgia, ou intervenção humana, o profeta prostra-se todo. E quem não haveria de se prosternar? Mesmo o mais forte dos homens, não se agüentaria diante de tamanho poder e glória. Recurvar-se-ia; lançar-se-ia com o rosto em terra.

Mais tarde, encontraremos Ezequiel noutro caso de prostração: “E levantei-me e saí ao vale, e eis que a glória do Senhor estava ali, como a glória que vira junto ao rio Quebar; e caí sobre o meu rosto” (Ez 3.23). Quem não cairia ante as singularidades da glória de Deus? Quem a resistiria?

Já no final de seus arcanos, Ezequiel vê-se constrangido a comportar-se de igual maneira: “E o aspecto da visão que vi era como o da visão que eu tinha visto quando vim destruir a cidade; e eram as visões como a que vira junto ao rio Quebar; e caí sobre o meu rosto” (Ez 43.3).

Nesses casos, as visões divinas foram tão fortes que levaram tanto Ezequiel como Daniel a caírem por terra. Noutras ocasiões, porém, a ocorrência de visões, igualmente poderosas, não provocou alguma prostração.

Haja vista o caso de Isaías. Embora se mostrasse aterrorizado e compungido com a visão do trono divino, não se menciona ter o profeta caído por terra. Isto significa que as experiências, embora semelhantes, possuem suas particularidades e idiossincrasias. Isto é: cada experiência, ou encontro com Deus, é única. Seria tolice pretender repeti-las para que a sua repetição adquirisse foros de doutrina.

2. O impacto de um encontro com Deus

Além das visões, certos encontros com Deus, tanto no Antigo como no Novo Testamento, levaram à prostração. Mencione-se, por exemplo, o que aconteceu a Saulo no caminho de Damasco. O encontro com Jesus foi tão formidável, que forçou o implacável perseguidor a cair por terra, e a reconhecer a autoridade e a soberania do Filho de Deus: “E caindo em terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues?” (At 9.4).

Como nos casos anteriores, nada havia sido programado. Saulo foi levado a recurvar-se em virtude da sublimidade do Senhor Jesus. Noutras ocasiões, porém, os encontros com Deus deram-se de maneira suave.

A entrevista de Natanael com Jesus é um exemplo bastante típico dessa suavidade tão santa. O que também dizer do encontro de Gideão com o anjo do Senhor? Ou do encontro de Jeremias com Jeová? Este encontro veio na medida certa; veio de acordo com o caráter suave e melancólico do profeta.

Mas tivesse Jeremias o temperamento colérico de Paulo, certamente o Senhor teria agido com impacto para que o vaso fosse quebrado e moldado conforme a sua vontade. Como se vê, as experiências variam de acordo com as circunstâncias e a personalidade das pessoas envolvidas no plano de Deus.

3. Diante da autoridade de Cristo

A autoridade do nome de Cristo é mais que suficiente para fazer com que todos os joelhos dobrem-se diante de si. Aliás, chegará o momento em que todos os seres, quer nos céus, quer na terra, quer sob a terra, hão de se curvar diante da infinita grandeza do nome do Senhor Jesus: “Pelo que também Deus o exaltou soberanamente e lhe deu um nome que é sobre todo o nome para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai” (Fp 2.9,10).

Na noite de sua paixão, o Senhor demonstrou quão grande era a sua autoridade: “Quando, pois, (Jesus) lhes disse: Sou eu, recuaram e caíram por terra” (Jo 18.6). Ao contrário dos casos anteriores, nessa passagem quem cai por terra são os ímpios. Recurvam-se estes não em sinal de reverência a Deus, mas em razão da autoridade e soberania irresistíveis de Cristo.

Caso semelhante ocorreu com Ananias e Safira. Ambos caíram por terra em decorrência de sua iniqüidade: “Disse então Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo e retivesses parte do preço da herdade? Guardando-a, não ficava para ti? E, vendida, não estava em teu poder? Por que formaste este desígnio em teu coração? Não mentiste aos homens, mas a Deus. E Ananias, ouvindo estas palavras caiu e expirou. E um grande temor veio sobre todos os que isto ouviram” (At 5.3-5).

Casos como esses não são raros. Em nossos dias, muitos são os ímpios que, por se levantarem contra os escolhidos do Senhor, caem por terra e, às vezes, fulminados.

Noutras ocasiões, porém, o Senhor revelou-se de maneira tão suave, que se faz homem diante dos homens. Que encontro mais doce do que aquele que se deu junto ao poço de Jacó? O Senhor revela-se de maneira surpreendentemente afável à mulher samaritana. E a experiência de Nicodemos? Ou a de Zaqueu?

Enfim..
Daquilo que até agora vimos acerca do “cair no Espírito” ou Fanerose, podemos tirar as seguintes conclusões, tendo sempre como base as Sagradas Escrituras:

1. Não se pode realçar a experiência, nem guindá-la a uma posição superior à da Palavra de Deus. A experiência é importante, mas varia de pessoa para pessoa; cada experiência é uma experiência; tem suas particularidades. A experiência tem de estar submissa à doutrina, e não há de modificar, por mais extraordinária que seja, nenhum artigo de fé.

2. O cair por terra não pode ser visto nem como evidência da plenitude do Espírito Santo, nem como sinal de uma vida consagrada. A evidência do batismo no Espírito Santo é o profundo amor por Jesus Cristo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário