.

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Arqueólogos revelam descoberta de novas provas da existência de Jesus em moedas do primeiro século

Moedas apresentam as imagens de Jesus mais antigas já descobertas

Descoberta arqueológica pode mudar história do cristianismo do século 1

 O arqueólogo e historiador Ronald Stewart está divulgando uma descoberta que pode mudar a maneira como a arqueologia vê a figura de Jesus.

Ele acredita ter encontrado moedas datadas entre os anos 33 e 47 d.C. que trazem imagens da vida de Cristo.


O doutor Stewart explica que esse tipo de moedas cunhadas a mão eram parte de uma forma de arte popular, que teve início no tempo dos imperadores gregos, entre 336 e 300 a.C. 

O objetivo era fazer homenagens a pessoas importantes. Em geral, retratavam acontecimentos ​na vida de uma pessoa, com uma imagem do homenageado de um lado e o evento do outro. Esse tipo de objeto continuou sendo feito até o século 14.

As moedas encontradas por ele são de origem judaica. As imagens retratam uma série de eventos bem conhecidos da vida em Jesus, incluindo seus milagres e o julgamento perante Pôncio Pilatos. 

Portanto, de acordo com ele, são parte de uma série que ilustra “a vida, os milagres, a prisão, o julgamento, a execução e o sepultamento” de Jesus, conforme registrados nos Evangelhos. Calcula que seriam 50 moedas ao todo, por isso continua sua busca pelas que ainda faltam.

Ronald Stewart também é inventor. Para estudar essas moedas, usa um instrumento criado por ele mesmo para analisar desenhos macroscópicos. O aparelho fornece uma imagem 3D da moeda, que revela detalhes invisíveis ao olho humano.

Inicialmente, pensava-se que as moedas retratavam a vida de algum judeu importante, mas usando esse equipamento de alta tecnologia, Stewart foi capaz de obter mais detalhes sobre as ilustrações. 

Ele explica que só quem conhecia o relato dos Evangelhos pode entender as imagens. Como na época em que foram feitas, era grande a perseguição aos cristãos, possivelmente o artesão desenhou as moedas de tal maneira que só quem estava familiarizado com a vida de Jesus entenderia.

Trata-se de uma grande descoberta, pois a primeira imagem conhecida de Jesus foi encontrada na cidade síria de Dura Europos. Feita no ano de 235, retrata Jesus curando um paralítico. A primeira moeda conhecida que retratava Jesus era de ouro e só foi feita por volta de 692.

Stewart pretende colocar as que encontrou em exibição no ano que vem. Acredita-se que, se confirmada, sua descoberta será a primeira imagem de Cristo já retratada artisticamente. 

Não se tem notícia de qualquer desenho, pintura, ou escultura retratando Jesus feita nos primeiros dois séculos após a sua morte. Em grande parte por que os primeiros convertidos eram judeus e eles mantiveram a tradição religiosa de não fazer imagem alguma de Deus. 
Com informações Christian Telegraph.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Florescimento do Deserto: Sinal do fim dos tempos?

Florescimento do Deserto


No mundo todo, o que vemos hoje são regiões que antes eram florestas e hoje se transformaram em deserto. No Rio Grande do Sul, por exemplo, vários locais estão se tornando em grandes desertos. O deserto do Saara, por exemplo, avança mais e mais a cada dia, engolindo o continente africano.


Porém, com Israel, o que se vê é exatamente o oposto: reigões que antes eram desérticas, agora estão dando frutos. Isaías já havia profetizado este milagre no deserto:

  • Isaías 35:1-2
    "O deserto e o lugar solitário se alegrarão disto; e o ermo exultará e florescerá como a rosa. Abundantemente florescerá, e também jubilará de alegria e cantará; a glória do Líbano se lhe deu, a excelência do [monte] Carmelo e [na planície de] Sarom; eles verão a glória do Senhor, o esplendor do nosso Deus."
  • Isaías 35:6-7
    "Então os coxos saltarão como cervos, e a língua dos mudos cantará; porque águas arrebentarão no deserto e ribeiros no ermo. E a terra seca se tornará em lagos, e a terra sedenta em mananciais de águas; e nas habitações em que jaziam os chacais haverá erva com canas e juncos."
  • Isaías 43:19
    "Eis que faço uma coisa nova, agora sairá à luz; porventura não a percebeis? Eis que porei um caminho no deserto, e rios no ermo."

Desde que os judeus retornaram a Israel em 1948, a quantidade de chuvas na região aumentou em 200%. Israel hoje exporta tecnologia agrícola, através da tecnologia dos kibutz. 

Os kibutz são plantações que usam uma técnica muito interessante: cava-se um poço artesiano que pode chegar a mil metros de profundidade (que é o caso de territórios áridos israelenses) para se extrair água para a plantação. Existe uma teia de mangueiras que passa por cima da plantação. Sobre cada muda de planta, um furo é feito na mangueira, onde, de tempos em tempos, os pingos d'água caem sobre as mesmas, regando-as.


Os computadores controlam o fluxo de água e dos pingos que caem sobre as mudas, garantindo a quantidade de água exata para cada muda do plantio. O resultado disto são colheitas excepcionais todos os anos.


Há alguns anos, o SBT esteve em Israel para mostrar esta tecnologia. Para expressar o espanto causado pelo êxito da plantação, o repórter do SBT usou a frase: "A tecnologia dos kibutz fizeram Israel florescer."


Estas são fotos de um kibutz israelense:





FOTO VIA SATÉLITE DE ISRAEL: NOTE COMO A NAÇÃO ISRAELENSE ESTÁ VERDE, EM RELAÇÃO ÀS DEMAIS AO REDOR

Mais um sinal de que já estamos vivendo o tempo do fim.