.

domingo, 25 de março de 2012

Governo do Irã emite um comunicado oficial sobre o Pastor Nadarkhani


youcefpresenttruth.jpg

Irã (MNN) - Em um comunicado de imprensa publicado 7 de março de 2012 no Centro Americano de Direito e Web site da Justiça, o Irã diz que não há sentença de morte contra o pastor Youcef Nadarkhani.

O lançamento foi disponibilizado para o ACLJ pelo Departamento de Imprensa, Embaixada da República Islâmica do Irã. Nele,


A Embaixada da República Islâmica do Irã em Brasília, não só nega o relatório, mas também afirma: "Artigo 13 da Constituição da República Islâmica do Irã

reconhece os seguidores das principais religiões celestiais, incluindo os cristãos, como as minorias religiosas, aceitando e assegurando os seus direitos como cidadãos religiosos. "

De acordo com este artigo, eles estão livres para manter serviços e ensinamentos religiosos e para a prática de direitos civis com base na sua formação.

Vai ao ponto de dizer: "Além disso, estas minorias, como as outras organizações muçulmanas dentro da Constituição, têm representantes no Parlamento. Ele também diz que a vida pacífica existe na República Islâmica do Irã entre os seguidores das religiões divinas, com um sincero espírito paternal que se estabelece entre os aspectos do Estado e diferente.

Além disso, temos a certeza de um poder independente do Tribunal, lembrando que o indivíduo no qual se refere foi preso com base em leis e regulamentos da República Islâmica do Irã. Ele tem um advogado que vai proteger todos os seus direitos legais, incluindo o contato com sua família.
Departamento de Imprensa da Embaixada da República Islâmica do Irã. "

É um comunicado divulgado em face da crescente pressão internacional. Primeiro, o Congresso americano aprovou por unanimidade uma nova resolução condenando o governo iraniano que condenou à morte um pastor cristão acusado de renunciar Islã.

 Então, em 12 de março o enviado de Direitos Humanos no Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, também condenou a prisão do Nadarkhani.

O pastor foi preso por quase três anos sob acusações de apostasia, ter deixado o islã para o cristianismo. Segundo relatórios do Compass Direct News, em sua última audiência de apelação em setembro, Nadarkhani se recusou a negar sua fé, quando o tribunal aplicado Sharia e lhe deu três chances para retratar o cristianismo e voltar ao islamismo a fim de que sua vida seja poupada.

Portas Abertas, um grupo de advocacia para a igreja global perseguida, notas que as autoridades iranianas ver cristãos iranianos como peões do Ocidente que tentam derrubar o regime. Quase toda a atividade cristã é ilegal - de evangelismo a Bíblia de treinamento para a publicação de livros cristãos. Muitos cultos são monitorados pela polícia secreta.

O governador de Teerã criticou o evangelismo cristão como um "movimento corrupto e desviantes" e "invasão cultural do inimigo."
Não surpreendentemente, o Irã ocupa o quinto lugar no Aberto Watch List Portas do Mundo, uma compilação dos 50 países onde a perseguição aos cristãos é o pior. Mesmo que o caso continua sem solução, não há palavra que o Evangelho está tendo um impacto enorme.
Continue orando para os operários do Evangelho. Ore por ousadia para eles e para rength de fundo-muçulmano crentes que foram detidos, presos e espancados.

segunda-feira, 19 de março de 2012

É o sujo falando do mal lavado, diz Silas Malafaia sobre reportagem do Domingo Espetacular



O pastor Silas Malafaia usou o seu site para comentar a matéria do programa Domingo Espetacular, da Rede Record, que no domingo (18/03/2012) transmitiu uma reportagem acusando o apóstolo Valdemiro Santiago de ter desviado o dinheiro dos dízimos para comprar fazendas e milhares de cabeças de gado de alta linhagem.



Na visão do líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo o programa foi usado pela Igreja Universal para acusar o ex-bispo da igreja de cometer os mesmo crimes que Edir Macedo, fundador da IURD e dono da Record, já foi acusado anteriormente.

“O resumo da historia é este: “o sujo falando do mal lavado. Todos farinha do mesmo saco”, sentencia Silas Malafaia que lembra que a Record usou os mesmos truques de edição que a Globo usou nos anos 90 e 95 para falar contra Edir Macedo.

“Por algum acaso a Rede Record, que está no nome dele, foi comprada com o dinheiro de quem? Foi comprada com ofertas do povo de Deus”, diz ele que já criticou a emissora outras vezes por não usar a programação para evangelizar.

Mas dessa vez ele não defendeu Valdemiro Santiago e disse que nessa história o fundador da Igreja Mundial do Poder de Deus não é inocente. “[Santiago] Faz igualzinho ao que ele mesmo criticava. Compra espaço na TV que pertencia a outros, oferecendo mais dinheiro, o que aconteceu comigo. Há muito tempo vem debochando e ridicularizando o Macedo, e desdenhando das outras Igrejas, dizendo que a Igreja dele é que mais cresce no Brasil”.

Malafaia continua dando sua posição sobre o episódio que, para ele, ridicularizou os pastores e as igrejas evangélicas do Brasil, dizendo que lamenta que o espaço da TV aberta esteja sendo usado para interesses pessoais e não para defender o Corpo de Cristo como um todo.

“Importa que haja heresias para que os que são fiéis se manifestem. Deus tenha misericórdia destes dois. Tenham a certeza que a Igreja de Jesus continuará sua marcha invencível”, encerra Silas Malafaia.

Leia o texto na íntegra:

Vou começar pelo fim. O resumo da historia é este: “o sujo falando do mau lavado”. Todos farinha do mesmo saco. O que me impressiona é que Edir Macedo, que já foi vítima de denúncias envolvendo enriquecimento ilícito e reportagens tendenciosas construídas para denegri-lo, feitas pela Rede Globo, principalmente entre os anos 90 e 95 (e que eu mesmo, várias vezes, no vigésima quinta hora, da Rede Record, os defendi), agora usa do mesmo expediente para atacar e denegrir um outro pastor, e com isto expor ao ridículo pastores e as Igrejas evangélicas.

Por algum acaso a Rede Record, que está no nome dele, foi comprada com o dinheiro de quem? Foi comprada com ofertas do povo de Deus.

A outra parte na questão, o Apóstolo Valdemiro, que por um bom tempo eu o julgava inocente, e que tinha boas intenções, no final descubro que é farinha do mesmo saco. Faz igualzinho ao que ele mesmo criticava.

Compra espaço na tv que pertencia a outros, oferecendo mais dinheiro, o que aconteceu comigo. Há muito tempo vem debochando e ridicularizando o Macedo, e desdenhando das outras Igrejas, dizendo que a Igreja dele é que mais cresce no Brasil, e agora que a “batata” dele está assando, vem dar uma de espiritual, com aquele choro que já não convence a mais ninguém, em uma pseudo humildade dizendo: ” estou orando pelo Macedo, estou orando pela Igreja Universal”. Porque só agora esta fazendo isto? De 2 anos para cá tem incessantemente baixado o pau no Macedo e na Igreja Universal.

O que eu lamento é que ambos possuem poder na mídia, mas não utilizam isso em prol do Reino de Deus, somente quando são seus interesses no Reino de Deus. O movimento gay quer interferir no lugar do culto, bem como criminalizar nossa pregação e eles não falam absolutamente nada. Quando você viu Macedo, ou Valdemiro defender alguma posição em relação à Igreja evangélica como um todo? Como diz a Bíblia, Deus não se deixa escarnecer, está tratando com os dois, e se bobearem vão se autodestruir.

Para os mais novos na fé e os incautos, deixo uma palavra da Bíblia: É necessário que haja escândalo, mas ai daquele por onde eles vem. E uma outra: Importa que hajam heresias para que os que são fiéis se manifestem. Deus tenha misericórdia destes dois. Tenham a certeza que a Igreja de Jesus continuará sua marcha invencível.

Filha de Edir Macedo diz que vai “chover incrédulo” defendendo Valdemiro Santiago



Um texto assinado por Cristiane Cardoso foi postado no blog de Edir Macedo falando a respeito da reportagem do programa Domingo Espetacular, da Rede Record, que falou sobre as fazendas compradas pelo apóstolo Valdemiro Santiago acusando de desvio de dinheiro de dízimos e de mentir para o povo de sua igreja.


Como todos sabem a emissora pertence ao líder da Igreja Universal do Reino de Deus, denominação da qual Santiago fez parte antes de fundar o novo ministério. Por esse motivo muitas pessoas criticaram a atitude não só da Record como também da IURD que teria interesses em falar de seu principal concorrente.

Mas para a filha de Macedo o que a reportagem fez foi apenas mostrar fatos e que, portanto, as pessoas que criticassem a postura da emissora presidida por seu pai precisariam enxergar o que a matéria de Marcelo Rezende tentou mostrar: o enriquecimento de Valdemiro e sua esposa.

“Então, quer dizer que: um ex-bispo (FATO) que saiu da IURD por pura rebeldia e orgulho (FATO); se chama apóstolo (FATO); prega com lágrimas que não se escorrem no nome de Deus (FATO); gosta de xingar a IURD há 12 anos, desde que saiu, (FATO); vive ‘evangelizando’ aqueles que são da IURD para sua igreja (FATO); faz coleção de ex-pastores que saíram da IURD por roubo, adultério, rebeldia e orgulho (FATO), deve ser reconhecido como nosso irmão em Cristo? ESSE AÍ não é filho do mesmo PAI – isso é outro FATO”, escreveu Cristiane Cardoso.

Tendo acesso ao blog de Edir Macedo, que tem mais de mais de 90 mil seguidores em sua página do Facebook, a herdeira garante que não vai autorizar comentários que critiquem a atitude da Record que noticiar mais uma vez uma reportagem que critica um líder evangélico, ou um segmento.
“Eu sirvo a Deus, e quem é contra Ele é contra mim. Não tenho paz com os inimigos de Deus, e se você é mesmo de Deus não teria também. E não venha com essa história de que estamos comprando briga com outras igrejas…”, disse.

Chamando Valdemiro Santiago de falso profeta a filha do dono da Record cita o texto de 2 Coríntios 11:13 e 14 que fala sobre os falsos profetas. “Se Deus é contra isso, por que o Novo Testamento está cheio de passagens contra esses tipos de falsos profetas e apóstolos? A guerra contra eles já começou lá na Igreja Primitiva, por que pararíamos com ela em nome dessa “paz” dos irmãos de hoje?”

Leia o texto na íntegra:

Ontem, ao assistir a reportagem sobre a Igreja Mundial e o seu apóstolo Valdemiro, fiquei pensando: “agora vai chover de incrédulo, que se diz crente, o defendendo”. É dose saber que muitas pessoas vão ficar com pena dele. Assistiram à reportagem e agora estão condenando a Rede Record e a Igreja Universal. Olha só como são as coisas!

A reportagem tinha todas as provas visuais e escritas, que confirmam o que está por detrás de tantas lágrimas de crocodilo desse homem que se autonomeou apóstolo. Mesmo assim, há pessoas que, em vez de olhar para as provas e concluir o óbvio, ficam criticando quem achou as provas. Normalmente, essas pessoas são da “paz”.

Eu sou contra esse tipo de “paz” dessas pessoas. Não sou contra elas, mas, sinceramente, eu não tenho paz com o inferno. Aqueles que se deixam ser usados pelo mal, na verdade, estão em guerra com aqueles que se deixam ser usados pelo bem. Ora, como pode haver paz entre esses dois? FALA SÉRIO!
Então, quer dizer que: um ex-bispo (FATO) que saiu da IURD por pura rebeldia e orgulho (FATO); se chama apóstolo (FATO); prega com lágrimas que não se escorrem no nome de Deus (FATO); gosta de xingar a IURD há 12 anos, desde que saiu, (FATO); vive ‘evangelizando’ aqueles que são da IURD para sua igreja (FATO); faz coleção de ex-pastores que saíram da IURD por roubo, adultério, rebeldia e orgulho (FATO), deve ser reconhecido como nosso irmão em Cristo? ESSE AÍ não é filho do mesmo PAI – isso é outro FATO.

E já vou deixando aqui o meu recado aos dessa falsa “paz”, que já estão querendo se passar por vários nomes falsos para deixar comentários aqui – seus comentários não serão aceitos, vão perder seu tempo. Eu não sou contra vocês e sim contra o que vocês professam. Não quero suas opiniões, porque contra fatos não há argumentos.

Eu sirvo a Deus, e quem é contra Ele é contra mim. Não tenho paz com os inimigos de Deus, e se você é mesmo de Deus não teria também. E não venha com essa história de que estamos comprando briga com outras igrejas… eu pergunto, será que você conhece mesmo a Bíblia?

“Pois os tais são falsos apóstolos, obreiros fraudulentos, disfarçando-se em apóstolos de Cristo. E não é de admirar, porquanto o próprio satanás se disfarça em anjo de luz.” 2 Coríntios 11.13,14
Se Deus é contra isso, por que o Novo Testamento está cheio de passagens contra esses tipos de falsos profetas e apóstolos? A guerra contra eles já começou lá na Igreja Primitiva, por que pararíamos com ela em nome dessa “paz” dos irmaus de hoje? Eu, hein!

Estamos numa guerra espiritual. Quem é inteligente se define de uma vez por todas e decide de qual lado ficar, o de Deus ou o do diabo. Quem não se define já está do lado de lá e não sabe.
OBS. Ah! Esqueci-me, nem adianta criticar o bispo Macedo porque eu o conheço pessoalmente e sei bem quem ele é. Somos unha e carne de espírito! FATO.


sábado, 17 de março de 2012

A verdade sobre o Templo de Israel, o Templo dos últimos dias


O Que é o Templo dos Últimos Dias?

Em 1989, a revista Time publicou um artigo intitulado "Tempo para um Novo Templo?" em que relatava o desejo crescente de muitos judeus devotos de verem um novo templo construído no Monte do Templo em Jerusalém. O correspondente começou escrevendo:

"Que a Tua vontade seja a rápida reconstrução do Templo em nossos dias..." Esse pedido a Deus, recitado três vezes ao dia nas orações judaicas, expressa um desejo que faz do Monte do Templo em Jerusalém os 35 acres potencialmente mais instáveis do mundo.[1]

Nos anos que se seguiram a esse artigo, nada diminuiu o desejo de reconstruir o templo. Na verdade, a expectativa e os preparativos continuam a crescer. O apoio do público israelense para a reconstrução do templo, antes fraco, está aumentando gradativamente. A tensão no Oriente Médio continua alta e os problemas religiosos e políticos da região continuam nas manchetes em todo o mundo. Mas, mesmo nestes tempos turbulentos, os ativistas do Movimento do Templo continuam a intensificar seus esforços.

Os esforços da política, da diplomacia, da religião e da cultura convergem todos para o Monte do Templo – provavelmente o terreno mais disputado da terra. Uma das tensões mais importantes entre judeus e muçulmanos é a de que uma mesquita muçulmana, o Domo da Rocha, foi construída no local do templo em Jerusalém. O ativismo em torno do templo tem provocado preocupação e conflito internacional e continua sendo um pavio curto que pode detonar a próxima guerra mundial. Não existem soluções fáceis ou simples nesse complexo drama internacional e há muita retórica.

O líder dos Fiéis do Monte do Templo, Dr. Gershon Salomon, que é um dos defensores mais conhecidos e declarados de um templo reconstruído, afirma:

Eu creio que essa é a vontade de Deus. Ele [o Domo da Rocha] deve ser retirado. Devemos, como sabem, removê-lo. E hoje temos todo o equipamento para fazer isso, pedra por pedra, cuidadosamente, embalando-o e enviando-o de volta para Meca, o lugar de onde veio.[2]

Afirmações tais como essa estão carregadas de emoção e são defendidas com convicção. Qualquer atividade relativa ao Monte do Templo certamente criará o caos e trará reprovação de uma ou mais entidades religiosas ou políticas envolvidas.

No entanto, o sonho de reconstruir o templo é realista e biblicamente correto; um dia ele se realizará. A Bíblia ensina explicitamente que a reconstrução se tornará realidade. Mas a alegria será passageira e a adoração será interrompida. Como veremos através de alguns tópicos da história e da Bíblia, o novo templo não será nem o primeiro nem o último a ser erguido. Sua construção é certa, mas os dias turbulentos que a acompanharão também.

Quais são os planos e os preparativos para o próximo templo de Israel?

Muitos planos estão sendo feitos para a reconstrução do templo,[3] e vários grupos diferentes em Israel estão se preparando para isso. Algumas das organizações e atividades incluem:

Os Fiéis do Monte do Templo, liderados por Ger-
shon Salomon, que usam medidas ativistas para tentar motivar seus compatriotas a reconstruírem o templo. Uma dessas medidas foi sua tentativa periódica de colocar uma pedra angular de 4 toneladas e meia no Monte do Templo. O ativista Gershon Salomon demonstra sua determinação quando diz:

No dia certo – creio que em breve – essa pedra será colocada no Monte do Templo, trabalhada e polida... e será a primeira pedra para o terceiro templo. Agora mesmo essa pedra não está longe do Monte do Templo, bem perto das muralhas da Cidade Velha de Jerusalém, perto da Porta de Shechem... e dessa pedra se pode ver o Monte do Templo. Mas o dia está próximo em que essa pedra estará no lugar certo – pode ser hoje... ou amanhã, estamos bem pertos da hora certa.[4]

Outra ação que eles instituíram foi o sacrifício de animais.

O Instituto do Templo, liderado por Israel Ariel, que já fez quase todos os 102 utensílios necessários para a adoração no templo conforme os padrões bíblicos e rabínicos. Eles estão em exposição para turistas no centro turístico do Instituto do Templo na Cidade Velha em Jerusalém.

O Ateret Cohanim fundou uma yeshiva (escola religiosa) para a educação e o treinamento dos sacerdotes do templo. Sua tarefa é pesquisar regulamentos, reunir levitas qualificados e treiná-los para um sacerdócio futuro.

Muitas yeshivas surgiram em Jerusalém para fazer preparativos para a eventualidade de culto no templo reconstruído e funcional. Estão fazendo roupas, harpas, plantas arquitetônicas geradas em computador. Alguns rabinos estão decidindo quais inovações modernas podem ser adotadas num templo novo. Além disso, eles estão fazendo esforços para ter animais kosher (puros) para sacrifício, inclusive novilhas vermelhas. E algumas pessoas continuam a orar no Monte do Templo para ajudarem a preparar o caminho.

Muitos outros preparativos estão em andamento para a volta de Israel a todos os aspectos da adoração no templo.

Qual é a importância do templo da Tribulação?

O templo da Tribulação é importante porque é o templo que muitos judeus em Israel estão tentando reconstruir no presente. Saber o que a Bíblia ensina sobre os templos do passado, presente e futuro dá aos crentes a base necessária para ver o terceiro templo do ponto de vista de Deus. Apesar de que a esperança judaica para o próximo templo é que ele seja o templo messiânico, a Bíblia deixa claro que ele será, na verdade, o templo transitório do Anticristo.

O fato de Israel ter sido restabelecido como nação em 1948, de Jerusalém ter sido reconquistada em 1967 e dos judeus estarem fazendo esforços cada vez mais significativos para a construção do terceiro templo, demonstra que estamos chegando perto do fim da atual era da Igreja e do início da Tribulação. O cenário divino para o fim dos tempos está tomando forma e o centro das atenções é a reconstrução do templo em Jerusalém. A mão de Deus está agindo.

Notas

Richard N. Ostling, "Time for a New Temple?" ("Tempo para um Novo Templo?") Revista Time, 16 de outubro de 1989.
Gershon Salomon citado em Patti Lalonde, "Building the Third Temple" ("Construindo o Terceiro Templo"), This Week in Bible Prophecy Magazine, abril de 1995, p. 22.
Para detalhes documentados de preparativos atuais para reconstruir o templo veja Ice e Price, Ready to Rebuild.
Randall Price, entrevista gravada com Gershon Salomon, 24 de junho de 1991.

Ateus: eternos revoltados, lógica irracional


Recentemente li esta mensagem que tinha como autor desconhecido:

“A existência de Deus independe de crenças ou descrenças. Ao inverso do que procuram fazer crer alguns, o ateísmo nunca é conseqüência de madura reflexão, ou resultante inelutável do conhecimento científico ou filosófico, é fruto de orgulho e rebeldia, uma manifestação da puberdade intelectual, como a acne o é da biológica. Para afirmar o próprio ego, busca rejeitar a autoridade.

 O ateu militante, encara a descrença como dogma, e a destruição da fé em Deus como um apostolado, em sua revolta anti-espiritual elege o próprio ego como o deus de si mesmos.Buscando justificativas racionais para a escolha feita, encantam-se ainda mais com a própria inteligência. Mas, ao contrário do que propalam, sua opção nada tem de racional, explicando-se melhor por um processo emocional. Acreditando compor uma seleta elite, ao fazerem da própria descrença um dogma e da ciência uma seita, olham de cima para os que crêem em Deus, considera como pessoas de mentes infantis, Isso os infla ainda mais de auto-importância e satisfação."

Vamos analisar esta crítica com cuidado

I) “A existência de Deus independe de crenças ou descrenças.”
Ponto bastante complexo. A existência e a inexistência do que quer que seja independe da crença a ela atribuída. Porém, o fato de haver ou não crenças acerca da existência de algo não prova, de maneira nenhuma, sua existência. O que se deve pensar é : se é necessário que se creia na existência do que quer que seja, isso significa que esta existência não é absoluta. Por existência absoluta se entende aquele que é óbvia, clara, experienciável. Por exemplo, não há quem não acredite que o Sol exista pois , a cada dia, qualquer um pode vê-lo e senti-lo.Se qualquer outra categoria de existência necessita de fé para que se configure como viável, esta está errada. Aquilo que não é experienciado por nenhum dos sentidos e aptidões humanas (em dimensão conjunta e inquestionável, aliás) é a simples definição de "inexistente".

II) “Ao inverso do que procuram fazer crer alguns, o ateísmo nunca é conseqüência de madura reflexão, ou resultante inelutável do conhecimento científico ou filosófico, é fruto de orgulho e rebeldia, uma manifestação da puberdade intelectual, como a acne o é da biológica”
Esta afirmação é alvo de sua própria crítica. Se o Ateísmo não fosse fruto de madura reflexão , seus teóricos seriam pessoas influenciadas por um sentimentalismo débil.

A crítica Ateológica parte do princípio da observação filosófica , científica e histórica - tão empírica quanto for possível - que visa apontar as lacunas e contrariedades que a religião impõe à realidade. Procura tornar toda a produção teológica passível de debate e investigação, e repudia qualquer forma de censura ou imposição. Dizer que o Ateísmo é fruto de orgulho e rebeldia é tão ridículo quanto dizer que o Teísmo é fruto de humildade e obediência. É tão ridículo quanto dizer que a população ateísta o é porque tem afinidade com ações pecaminosas, e ignora qualquer regra imposta para evitá-las. Em primeiro lugar, o ateísmo nega a classificação do que quer que seja como "pecado". Quanto ao orgulho, o crítico pode estar se referindo a negação de Deus e à elevação do ser humano ao status de divindade. Tal posição também não confere : o ateísmo defenderá que não é necessário que haja uma entidade superior que governe a Natureza. Cai-se aqui no paradoxo inicial : o ateísmo nega a existência da entidade superior pois esta não é absoluta. Quanto a rebeldia, parte-se do princípio que o ateu se rebela de algum tipo de lei absoluta.

 Em primeiro lugar , o ateu nega e ignora estas leis, em vez de se rebelar. A sutil (ou não tão sutil) diferença entre as ações descritas é a chave do entendimento desta argumentação. Se o ateu se rebela contra as leis Cristãs (por exemplo) , os Cristãos se rebelam contra as leis muçulmanas, espíritas, pagãs, cabalistas, naturalistas e milhares de outras tantas. O que isso traz de autoridade ao argumento teísta? absolutamente nada. Finalmente, o crítico fala que o Ateísmo é manifestação de "puberdade intelectual".

 Ateus de plantão poderão dizer que se trata de liberdade de pensamento, crítica e expressão. Liberdade, não libertinagem. Aliás, a moral laica é universal enquanto a religiosa é restrita a grupos conflituosos. Além do que, se o pensamento teísta for "maduro" , esta maturidade é repudiável em cada um de seus sentidos : segregação, preconceito, morte,censura,guerras e tantas outras manifestações parvas de humanidade se apresentam entre a história das religiões. Poderão dizer que no lado laico e ateísta também há estas manifestações.Exatamente. E porque isso provaria que a religião é maior do que sua ausência?Esta constatação só exprime aspectos da natureza humana, que a religião clama tanto poder controlar. Além do que , enorme parte dos genocidas e assassinos da liberdade que a humanidade jamais conheceu se declaravam praticantes de grandes religiões.É incrível como estas os negam depois de realizadas suas obras...

III) “O ateu militante, encara a descrença como dogma, e a destruição da fé em Deus como um apostolado, em sua revolta anti-espiritual elege o próprio ego como o deus de si mesmos.Buscando justificativas racionais para a escolha feita, encantam-se ainda mais com a própria inteligência.”
Este pequeno trecho contém vários pontos importantíssimos. Em primeiro lugar, analisemos o apresentado ‘dogma da descrença’.
O que devemos analisar primeiro neste ponto é o significado e emprego da palavra ‘dogma’. ‘Dogma’ é explicado como “verdade de fé”, por mais paradoxal que o termo possa ser. Sendo assim, o texto nos afirma que todo ateu é descrente por fé na inexistência de Deus. Se este aspecto fosse minimamente verdadeiro, o Ateísmo como posição social seria tão ridículo quanto o alvo de suas críticas. Ao contrário, o Ateu professa tal posição justamente pelo fato de julgar insuficientes todos os argumentos que ‘provam’ a existência de Deus, os quais serão abordados futuramente.

Em sequência, o texto afirma que o ‘apostolado’ do Ateu é a ‘destruição da fé em Deus’.É desnecessário dizer que a prática do ‘apostolado’ é não só abominada como também não empregada por nenhum ateu consciente. O Ateísmo não quer nem precisa que as religiões se destruam, ou que a fé deixe de existir. O que o Ateísmo clama a plenos pulmões ao mundo todo é o direito de existir livre dos infinitos preconceitos que sofre por parte dos religiosos e dos líderes políticos e sociais. O Ateísmo exige o direito de se pronunciar abertamente em emissoras de televisão em horário nobre sem ser ridicularizado , exige ser socialmente aceito como as mais ridículas e aleatórias religiões e , o mais importante, exige que seus praticantes sejam tratados como merecem, e não como a expressão do campo “outros (cite)” em qualquer pesquisa ou dado estatístico oficial.

O texto ainda trata o Ateu como um revoltoso. Denomina sua postura cética em relação ao nocivo conceito de Deus de ‘revolta anti-espiritual’ e afirma que o Ateu elege seu ego como deus de si. Só uma pequena observação : me parece que o autor deste texto é o verdadeiro orgulhoso, revoltoso, infantil , parvo e militante. Mas voltemos à análise do texto. O Ateu não é um revoltoso, é um cidadão como qualquer outro,mas que clama por seu direito de nunca mais ser incomodado com qualquer tipo de discurso religioso, de qualquer religião e de quem quer que seja. A isso chamam de ‘revolta anti espiritual’. O Ateu não é anti espiritual pois não aceita o conceito de ‘espírito’ e ‘alma’, uma vez que estes nunca foram provados nem sequer remotamente sugeridos por qualquer processo científico. O ultimo argumento desse trecho me parece pura “dor de cotovelos”. Dizer que o ateu elege seu ego como deus de si é a prova cabal do analfabetismo do interlocutor.
Se Ateu é aquele que se nega a professar uma fé e a adorar qualquer tipo de divindade, como poderá eleger para si um Deus? Ao que consta , é a religião o fenômeno paradoxal por excelência, não a ausência desta.

Finalmente, o último argumento do trecho deste tópico mostra as intenções difamatórias do autor. Parece assombrar e ofender profundamente o autor o fato de que o Ateísmo justifica-se com ciência e produção intelectual séria. Ora, seria ridículo justificar o que quer que seja com somente argumentos irracionais e não baseados na experimentação e discussão científica, não é mesmo? O autor discorda. Ainda é dito que os Ateus se espantam cada vez mais com sua inteligência, o que é tendencioso e mentiroso. Os Ateus não se espantam com a evolução científica e com o avanço das experimentações que oferecem respostas coerentes às dúvidas mais inerentes à humanidade. Não. O que os espanta é ver que , mesmo com esses avanços e essas respostas, ainda há pessoas que se negam a abrir os olhos a tantas realidades e a modificar suas crenças , para tornar seu discurso menos ridículo.

IV) “Mas, ao contrário do que propalam, sua opção nada tem de racional, explicando-se melhor por um processo emocional. Acreditando compor uma seleta elite, ao fazerem da própria descrença um dogma e da ciência uma seita, olham de cima para os que crêem em Deus, considera como pessoas de mentes infantis, Isso os infla ainda mais de auto-importância e satisfação.”

Analisemos o último trecho do texto. A primeira frase é chocante. O autor afirma que o Ateísmo nada tem de racional e se explica por um processo emocional. Qual? Revolta? Não, caro filho de Deus, o Ateísmo não se fundamenta sobre o pantanoso terreno das ‘certezas’ emocionais. O Ateísmo nega o Criacionismo pelo simples argumento lógico de que nada “existe desde sempre”.

O Ateísmo nega que exista um Espírito de qualquer origem que dite as ações dos altos líderes religiosos do mundo pelo simples fato de que estes foram os autores de algumas das maiores atrocidades que a humanidade já conheceu. Porém, o Ateísmo tem a humildade de reconhecer-se falho no dia em que ficar absolutamente provado que suas críticas estão infundadas e que, de fato, existe um Deus. Os Ateus não se consideram uma “seleta elite”. Ao contrário, são uma “seleta minoria” que, com o desenvolver de suas vidas, adquiriu um passaporte direto, sem escalas e em velocidade surpreendente, aos quintos dos Infernos, diriam os religiosos. Agora, pense, quem é que se considera superior e seleto aqui?! Também não é dogmática sua descrença, como já dissemos, nem a Ciência é a sua seita.

 A Ciência é sua ferramenta, através da qual suas teorias podem ser comprovadas ou destruídas e sua concepção de realidade expandida. O Ateu não olha prepotente para aqueles que professam uma fé. Ele olha, geralmente, pelo canto dos olhos, procurando correr o mais que pode da multidão armada de Bíblias, água benta, carteirinhas de Dízimo, cruzes, panfletos sobre a pós morte e palavras ininteligíveis que crêem serem a “língua dos anjos”. O Ateísmo não pode considerar os religiosos como possuidores de mentes infantis ou inferiores. Alem de a Ciência haver provado a inexistência de qualquer grupo superior entre os Homo sapiens, existem inúmeros grandes cientistas que são religiosos, como Francis Collins, por exemplo.

O Ateu não é sádico, vingativo ou marginal. Pelo contrário, geralmente é contra isso que luta, intelectualmente, aliás. Não organiza passeatas, marchas, romarias, procissões, cultos campais nem qualquer outra manifestação pública de sua descrença pelo simples fato desta ser proibida e ridicularizada pela sociedade. Porém, não quero deixar a impressão de que os Ateus são “pobres coitados”. Os Ateus não se sentem intimidados pelos processos citados acima. Ao contrário, se sentem obrigados a , cada vez mais, contribuir para a laicização da sociedade e sua evolução rumo ao respeito e tolerância mútuas, à igualdade de direitos e , o mais importante, de posição religiosa.

terça-feira, 13 de março de 2012

Cristãos evangelizarão no maior encontro de ateus do mundo

Cristãos evangelizarão no maior encontro de ateus do mundo
Evento realizado em Washington reunirá grandes nomes do ateísmo mundial

Ateus, agnósticos e livres pensadores norte-americanos e de outros países irão se reunir em Washington, dia 24 de março para comemorar o “Rali da Razão”. Entre os oradores do evento estão Richard Dawkins, Dr. PZ Myers, Adam Savage, James Randi, Dr. Elizabeth Cornwell, e Gretta Christina.
Embora muitos desses palestrantes possua status de celebridade entre os céticos, o evento é gratuito. Mesmo que a proposta do encontro não seja política, tem o potencial de unir ainda mais as pessoas que se opõe a religião organizada.

O “Rali da Razão” é patrocinado por uma impressionante variedade de organizações seculares, incluindo Ateus Americanos, Associação Humanista Americana, Aliança Ateísta da América, Nexus Ateísta, Camp Quest, Sociedade Judaica Humanística entre outras.

O encontro pretende inspirar o movimento secular em busca de igualdade legislativa. O desejo é que se as pessoas se chamam de ateus, agnósticos, humanistas seculares, livres pensadores ou qualquer outro termo usados ​​para descrever seu estilo de vida sem deus, possam assumir isso publicamente.
Seus organizadores dizem que este é o maior encontro do movimento secular da história e poderá ser um marco no movimento ateísta mundial.

Porém, organizações cristãs como Ratio Christi, ThinkingChristian.net, Razões para Deus, Aliança de Blogueiros Apologetas e Aliança Cristã de Apologética, estão organizando uma “resposta”. Seu desejo é participar do Rali da Razão e poder testemunhar sua fé em Cristo com os presentes.
A equipe cristã está oferecendo treinamento via internet para preparar voluntários a entrar na “cova do leão”. Os cristãos irão distribuir panfletos e um “livreto” de 32 páginas escrito especialmente para este propósito e oferecer água engarrafada e sorrisos.

Segundo o site Cross Examined “Não é um protesto. Iremos compartilhar sobre Cristo com as pessoas interessadas. Nós só vamos conversar com aqueles que desejam conversar conosco. Vamos oferecer água e materiais para todos, mas não vamos pressionar aqueles que não querem conversar”.

domingo, 11 de março de 2012

Encontrado em Jerusalém o Palácio do rei Davi

JERUSALÉM JORNAL

Palácio do rei Davi é encontrado, diz Arqueólogo
JERUSALÉM,  Um arqueólogo israelense diz ter descoberto em Jerusalém Oriental que pode ser o lendário palácio do bíblico rei Davi. Seu trabalho tem sido patrocinado por um conservador israelense instituto de pesquisa e financiado por um banqueiro de investimento americano judeu que gostaria de provar que Jerusalém foi de fato a capital do reino judeu descrito na Bíblia.





Eilat Mazar, um arqueólogo israelense, ficou entre as ruínas de um enorme edifício público do século 10 aC que ela acredita que podem ser os restos do palácio do rei Davi em uma capital bíblica judaica.
Outros estudiosos estão céticos de que as paredes da fundação descobertos pelo arqueólogo, Eilat Mazar, são palácio de Davi.Mas eles reconhecem que o que ela descobriu é rara e importante: um grande edifício público de todo o século 10 aC, com fragmentos de cerâmica que datam da época de Davi e Salomão e um selo do governo de um funcionário mencionado no livro de Jeremias.

A descoberta é provável que seja uma salva de novo em uma grande disputa na arqueologia bíblica: se o reino de Davi foi de alguma magnitude histórica, ou se os reis eram mais como pequeno chefes tribais, reinando sobre a outra colina empoeirada.
A descoberta também vai ser usado na batalha político alargado sobre Jerusalém - se os judeus têm suas origens aqui e, assim, ter alguma influência especial sobre o lugar, ou se, como muitos palestinos têm dito, inclusive o falecido Yasser Arafat, a idéia de um origem judaica em Jerusalém é um mito usado para justificar a conquista e ocupação.
Nur Hani el-Din, um professor palestino de arqueologia na Universidade Al Quds, disse que ele e seus colegas

 consideraram arqueologia bíblica um esforço por israelenses "para caber evidências históricas em um contexto bíblico." Ele acrescentou: "A ligação entre a evidência histórica ea narração bíblica, escrito muito mais tarde, é em grande parte desaparecido há uma espécie de ficção sobre o século 10 Eles tentam vincular tudo o que encontram à narração bíblica Eles têm um botão... e eles querem fazer um terno fora dele. "

Mesmo arqueólogos israelenses não têm tanta certeza que a Sra. Mazar descobriu no palácio - a casa que Hiram, rei de Tiro, construída para o rei vitorioso, pelo menos como Samuel 2:5 descreve. Também pode ser a fortaleza de Sião, que David conquistou dos jebuseus, que governaram Jerusalém antes dele, ou alguma outra estrutura sobre a qual a Bíblia é silenciosa.

De qualquer maneira, eles ficam impressionados com a sua importância provável. "Esta é uma descoberta muito significativa, uma vez que Jerusalém como a capital do reino unido é muito incerta", disse Gabriel Barkay, um arqueólogo da Universidade Bar-Ilan. "Esta é uma das primeiras saudações que temos da Jerusalém de Davi e Salomão, um período que teve uma espécie de esconde-esconde com os arqueólogos para o século passado."

Com base na Bíblia e um século de arqueologia neste ponto, a Sra. Mazar, 48, especulou que uma estrutura de pedra-escalonado famoso escavada antes era parte do David fortaleza conquistada, e que o seu palácio, teria sido construída fora das muralhas originais da cidade apertado, no caminho para o seu filho, Salomão, construído como o Monte do Templo.

"Quando vieram os filisteus para lutar, a Bíblia diz que Davi descia de sua casa para a fortaleza", disse ela, os olhos brilhantes. "Eu me perguntava, para baixo de onde? Presumivelmente, a partir de onde ele morava, seu palácio."

"Então eu disse, talvez haja alguma coisa aqui", acrescentou, referindo-se a Jerusalém Oriental.
Palácio de Davi foi o tema de uma última conversa Ms. Mazar teve com seu avô, Benjamin Mazar, um famoso arqueólogo que ajudou a treiná-la e que morreu há 10 anos. Cinco meses atrás, com dinheiro e permissão do David Ir Foundation, que controla o site (e suporta os judeus se movendo em Jerusalém Oriental), ela finalmente começou a cavar.

Amihai Mazar, professor de arqueologia na Universidade Hebraica, chama a encontrar "uma espécie de milagre." Ele diz acreditar que o prédio pode ser a fortaleza de Sião, que David é dito ter conquistado, que ele rebatizou a cidade de Davi. "O que ela descobriu é fascinante, seja ele qual for", disse ele.
Sr. Mazar é primo em segundo grau Ms. Mazar, mas ele tem sua própria reputação para proteger.

Arqueólogos debate "em que medida Jerusalém era uma cidade importante ou mesmo uma cidade no tempo de David e Samuel", disse ele. "Alguns acreditam que foi pequena e sem importância no reino." O local da antiga Jerusalém, preso entre dois vales em um cume sul do Monte do Templo, é muito pequena, menos de 10 hectares.

Israel Finkelstein, arqueólogo renomado outro, sugeriu que, sem evidências significativas, de Jerusalém neste período não era "talvez mais do que uma aldeia montanhosa típica."
Em seu livro, "The Bible Unearthed", disse Finkelstein escreve com Neil Silberman, "Não só foi qualquer sinal de arquitetura monumental em falta, mas assim que eram fragmentos de cerâmica, mesmo simples."
Ms. Mazar acredita ter encontrado uma réplica: um grande edifício público, com pelo menos cerâmica algum tempo, e uma bolha, ou selo governamental, de um funcionário - Jucal (ou Jucal), filho de Selemias, filho de Shevi - que é mencionado pelo menos duas vezes no Livro de Jeremias.

O prédio pode ser razoavelmente datado pela cerâmica encontrada acima e abaixo dele. Ms. Mazar descobriu sobre a rocha um piso elevado de calcário moído, indicando um grande espaço público. O chão e encher acima contêm cerâmica da Idade do Ferro I de 12 a 11 séculos aC, pouco antes de David conquistou Jerusalém.

Acima disso, a Sra. Mazar descobriu as bases para este edifício monumental, com pedras grandes para paredes que são cerca de 2 metros de espessura e se estender pelo menos 30 jardas. Num canto havia cerâmica da Idade do Ferro II, do 10 º ao 9 º séculos, aproximadamente o tempo do reino unido.
Infelizmente, o Sr. Mazar disse, ela não encontrou nenhum chão. É claro que o edifício foi construído após a cerâmica debaixo dela, mas menos claro exatamente como muito mais tarde.

O debate arqueológico é também em parte um debate sobre as raízes do sionismo e do esforço para encontrar origens judaicas profundas na terra. Mais recente escavação Ms. Mazar, que tem custo de cerca de US $ 500.000, foi patrocinado pela Roger Hertog, um financista de Nova York que é vice-presidente da Alliance Capital Management. Sr. Hertog, dono de um pedaço de The New York Sun e The New Republic, é também presidente do conselho do Centro Shalem, em Jerusalém, onde a Sr. ª Mazar é um membro sênior.

O Centro Shalem foi fundada como o primeiro de Israel "think tank neoconservador", disse William Kristol, que também é na placa, em um esforço para dar o direito de Israel uma base melhor na história, economia, arqueologia e outros tópicos.

Sr. Hertog chama seu investimento em Ms. Mazar "filantropia de risco - você tem a oportunidade para a especulação intelectual, para financiar algo que é uma obra de grande conseqüência." Ele disse que esperava para mostrar "que a Bíblia reflete a história judaica."
Ms. Mazar continua a cavar, mas agora, três famílias estão vivendo em casas onde ela mais gostaria de explorar. Uma família é muçulmana, um cristão e um judeu.



sábado, 10 de março de 2012

O neutro e o "Politicamente Correto" dois inúteis!



APOCALIPSE 3:15

"Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente!

Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca."





A pessoa Neutra, ou “politicamente correta” é aquela que aprendeu e pratica a moral da civilização pós-moderna.

Ser “politicamente correto” é ser diplomático sempre. É não enfrentar nada, sempre em nome da boa educação — mas que pára o fluxo da sinceridade em amor.

Ser “politicamente correto” é ser neutro, ficar encima do muro, não se comprometer com nada, é o eterno "vaquinha de presépio" sendo guiado pelos outros, é o que não pensa, não decide, não dá a cara pra bater, não faz a diferença, é aquele que passa a vida e nada oferece de bom para humanidade, porque é medroso e morno, nem quente e nem frio.

Ser “politicamente correto” é seguir o fluxo civilizatório como dogma religioso. É ser contra falar qualquer coisa sobre qualquer tema controvertido. Têm suas opiniões, mas em público nada dizem sobre nada. Quando o tema é política, votam, mas jamais dizem o que pensam. E quando o tema é a fé, rebelam-se apenas contra os fanáticos estereotipados, mas não são capazes de dizer ao Dalai Lama o que pensam sobre Jesus, pois, para eles, seria deselegante.

A pessoa “politicamente correta” é mestre em comer galinha enquanto desmaia se vir cortarem-lhe a cabeça para preparar a panelada. Comem carne de animal, desde que não vejam a “maldade” da morte dele.

Assim, são grandes estetas. Vivem de aparências e de elegâncias. Controlam tudo o que dizem a fim de não serem interpretados como sendo “politicamente incorretos”. São os reis da imagem e do som.

Eu abomino o “politicamente correto”.

Sim, porque Jesus não foi “politicamente correto”. Ele dizia tudo o que era importante, e só não o dizia quando não era importante. E disse: “Vós sois aqueles que recebeis glória uns dos outros”. E acrescentou: “Aquilo, porém que é elevado entre os homens, é abominação diante de Deus”.

Em Jesus vemos a liberdade de ser e crer em plena ação. Ele manda amar o inimigo e tratar a todos como gostaríamos de ser tratados. Porém, Nele não há média, nem política relacional, nem agrados a serem feitos conforme o que as pessoas queriam ouvir. Também Nele não vemos nem esbanjamento de palavras e nem a sonegação ou omissão em relação a elas quando os tempos e circunstancias pediam que Ele se manifestasse.

Eu abomino o “politicamente correto” porque quem o pratica enfraquece, se torna bobão, perde o tutano da alma, e vira em ser belamente mimético.

Eu abomino o “politicamente correto” porque se Jesus o praticasse, não haveria Evangelho, ou Cruz, ou a coragem para ser.

Jesus ensina a verdade, não a média. Assim, Seu grande prazer era fazer o bem, mas não tinha nenhum problema em dizer “não”. Não há em Jesus qualquer gestão que seja “politicamente correta”. Sim, porque as ações Dele que parecem ser “politicamente corretas”, de fato não são; sendo apenas a verdade; daí terem tido a anuência de Jesus. Entretanto, não são “politicamente corretas” apenas porque em outra ocasião (seja ela qual tenha sido) Jesus tenha feito algo que se assemelhasse a tal. Não! Muitas vezes o que se vê é Jesus fazendo a coisa oposta em relação àquela outra que Ele antes havia feito; pois, para Ele, havia o justo (justiça); e, o que é justo é sempre o que é justo.

De tal modo que às vezes o que Jesus diz atende aos preceitos morais dos “politicamente corretos” — para, então, logo a seguir, Jesus desmontar outra alegria de anuência em relação a algo em relação a que se esperava Dele uma outra ação. Mas quando, em alguma outra circunstancia, Ele toma um partido em relação à vida, contra as etiquetas relacionais e contra as expectativas “politicamente corretas”, os seres “politicamente corretos” chamam a isto de gesto suicida.

Todo ser “politicamente correto” é frouxo. Não se pode contar com tais pessoas para nada. Elas só estão ao seu lado se der prestígio, pois, se algo acontecer de ruim a você, logo o espírito de auto-preservação deles haverá de se manifestar. Além de que eles mesmos haverão de demonstrar seu moralismo “politicamente correto”, o qual, é contra o moralismo dos antiquados, mas é moralismo assim mesmo. Sim, trata-se de um moralismo educado, porém igualmente judicioso; só que manifesto com carinhas sorridentes e simpáticas.

Além disso, o “politicamente correto” é uma ideologia poderosa. Por exemplo, a mídia mundial gosta de tentar ser “politicamente correta”. Ora, tomemos como exemplo o que acontece a Israel hoje. O mundo todo está contra Israel e nem sabe a razão.

Ouço na tevê: “O Hesbollah atacou Israel e 23 pessoas morrem. Israel, porém, retaliou, e apenas matou três militares, mas matou 13 civis”. Ora, quando se trata dos palestinos, diz-se que três militares foram mortos, e 13 civis inocentes. Entretanto, em Israel, parece não existir criança e nem civis, pois, tudo o que de lá se reporta tem a ver com números gerais, como se todo o país fosse militar...

Sim! Até as mães e as crianças brincando no parque!

Já entre os palestinos, a mídia trata a questão com uma simpatia “politicamente correta”, ainda que alienada e injusta no report.

Ora, isto é fruto de uma atitude da “mídia politicamente correta” do mundo todo, a qual, não olha fatos e nem enxerga a história, vendo apenas questões tópicas e recentes. Além disso, eles olham a situação já com a predefinição de que Israel é o agressor. Sim! Mesmo quando Israel não agride, e quando nada faz, eles assim julgam. E mais: digo isto até para o ser mais fanático, estúpido e anti-Israel que exista — mas sempre em resposta... pois sei o que digo; e estou aceitando sair no “pau dialogal” com todo aquele que pense diferente.

Assim, a mídia está sempre vendo os árabes e palestinos como as vítimas que são oprimidas por Israel. Todos os que assim dizem, são jornalistas contaminados pela moda da própria mídia. Sim, eles cultuam no alienante altar do “politicamente correto”, e que têm na mídia seus mais importantes sacerdotes e profetas.

Vejo o “politicamente correto” fazer uma perversão total do sentido de verdade. A verdade agora é a diplomacia. E toda verdade que não seja diplomática, é feia; e, portanto, deixada de lado.

Eu gostaria muito que os paises detentores de mídia formadora de opinião mundial fossem expostos, em seus paises, às mesmas coisas que acontecem em Israel, e, logo que tal se desse, veríamos essa horda de “politicamente corretos” tomarem posições muito mais radicais do que Israel pratica.

O ser “politicamente correto” vive como aquele que nada sente, posto que pimenta nos olhos dos outros é refresco!

O 11 de setembro, que foi mais espetacular do que calamitoso (calamidades acontecem todos os dias no mundo todo, mas sem show de pirotecnia, não impressionam), ainda não deu aos americanos e à sua mídia nem de longe a noção do que é viver a vida dos cidadãos de Israel. Porém, bastou o show de 11 de setembro para os americanos “politicamente corretos” dizerem: “é um absurdo” — pois, tais pessoas, são “politicamente corretas” apenas no quintal dos outros.

No Brasil há pastores “politicamente corretos”. Ora, quem são eles?

São os que são camaradas de todos, que ouvem todas as barbaridades em silencio, que não batem de frente com nada, e que vivem para evitar qualquer enfretamento. Em público são generosos até com o diabo. Sim! Apenas alisam e fazem cafuné. Mas, no particular, expõe o que sentem. Então, eu me pergunto: Como conseguem viver assim?

Pastores “politicamente corretos”, literalmente dizem: “Não precisando de mim, disponha”.

São bons amigos enquanto você é um sucesso. Mas se algum mal lhe acontecer, eles, os “politicamente corretos”, desaparecem como névoa. Temem ser identificados com o que é incorreto no momento. Se a tal pessoa se levantar, então, eles voltam. Mas só são amigos do sucesso e da aparência dele.

O espírito “politicamente correto” não teria trazido o Evangelho até nós.

O “politicamente correto” é a doutrina dos fariseus aplicada ao comportamento irreligioso dos pós-modernos.

Assim, não jejuam, mas comem com elegância. Não oram, embora digam: “Estou torcendo por você”. E mais: se dizem crer no Evangelho, só fazem tal revelação quando o interlocutor já disse que crê também. Do contrário, ficam sempre sorridentes e calados, não importando a loucura que lhes faça companhia mediante a presença de alguém.

O “politicamente correto” é um sentir escatológico. Sim, porque quem lê Mateus 25 logo vê que aqueles que não viram Jesus na História — são os “politicamente corretos”. Eles é que vêem, mas só fazem algo se for seguro. Eles é que sabem, mas se o que sabem não lhes toca a porta da casa, então não lhes concerne.

Ser “politicamente correto” é chamar para si o status que permite não se envolver com nada que doa, ou que seja potencialmente controverso.

O “politicamente correto” é a ética dos que romperam com a moral careta e assumiram uma outra moral, com fachada sofisticada, com atitude de natureza psicologicamente evoluída, com mil etiquetas relacionais, com modos brandos e finos, e com total busca de isenção em relação a tudo o que lhes roube o chão.

Ser “politicamente correto” é decidir não correr riscos jamais!

Os seres “politicamente corretos” em geral são gentilmente arrogantes, e são mestres em fazer discretas caretas de desprezo para aqueles que eles consideram “caretas”.

Quem se torna “politicamente correto” por convicção, acaba se tornando discípulo do diabo, e fazendo algo que o diabo ama: a evasão da vida comum, exceto da própria vida (egoísmo), enquanto a pessoa se assenta soberana, julgando que está num nível superior ao dos demais.

Desse modo, a Síndrome de Lúcifer se torna algo que é essencialmente ligado à presunção dessa superioridade dos “politicamente corretos”.

Portanto, quanto mais ideologia do “politicamente correto” existe em alguém, mas fria, descomprometida e alheia da existência a pessoa se torna.

O diabo, quando não cria monstros, cria bonecos de etiqueta. E tal etiqueta produz evasão da vida, das convicções, e da coragem para aceitar e lidar com a contradição.

Por isto o diabo ama o “politicamente correto”, pois, por tal ideologia o mundo acaba cheio de etiquetas, mas morto de vida.

O Evangelho é completamente politicamente incorreto. Pois, como disse, se tal ideologia estivesse presente em Jesus, o que se teria seria apenas uma sabedoria de sobrevivência, mas nunca a coragem de dar a vida pelo que é Vida, não importando as conseqüências.

Afinal, no “politicamente correto” não há paixão, mas apenas avaliação da vantagem ou da auto-preservação pessoal.

Se Jesus fosse “politicamente correto”, todos ainda estaríamos em nossos próprios pecados.

A história, todavia, nunca foi feita pelos discípulos dessa ideologia de mimetismo e diplomacia. Os profetas poderiam ser qualquer coisa — menos “politicamente correto”.

Ora, é por tudo isto que abomino o “politicamente correto”, pois é a ideologia da elegância do diabo.

Sim, o “politicamente correto” é o desfile das elegâncias do inferno!

No “politicamente correto” o Sim não é necessariamente sim, e o Não também não é necessariamente não. Pois, em tal ideologia de religiosidade secular, o que é, pode ser, dependendo das circunstancias; posto que se as circunstancias não forem favoráveis, qualquer que seja a verdade, mesmo sendo, na prática não será assim tratada. Afinal, o ser “politicamente correto” só diz que o que é, é, se isto lhe for conveniente e bom para o culto à elegância.

Nele, que me dá de Seu Espírito e não me permite fazer médias, pois, para Ele o que é, é, e não é objeto de nenhum tipo de barganha ou de escolha de conveniência,

quinta-feira, 8 de março de 2012

Aumenta o ódio Muçulmano aos Cristãos - satanás se levanta contra Cristo


MUÇULMANOS SÃO OS LÍDERES MUNDIAIS EM PERSEGUIÇÃO AOS CRISTÃOS.

SATANÁS SE LEVANTA CONTRA CRISTO

NOVE DOS DEZ PIORES AGRESSORES SEGUEM LEIS ISLÂMICAS

Por Michael Carl



Nove das 10 nações que mais perseguem cristãos seguem principalmente a lei islâmica, e a “Primavera Árabe” que percorre partes do norte da África gerou um surto de repressão, de acordo com relatório publicado pela organização Open Doors (Portas Abertas).

O país restante da lista dos 10 é a Coréia do Norte, liderada por um regime comunista fanático que considerava os seus dois antigos líderes como deuses.
Os 10 classificados pelo relatório este ano são, na ordem, Coréia do Norte, Afeganistão, Arábia Saudita, Somália, Irã, Maldivas, Uzbequistão, Iêmen, Iraque e Paquistão.

Segundo o relatório, chamado World Watch List, os maiores avanços na perseguição de cristãos vieram de dois países africanos no calor da “Primavera Árabe”. O Sudão subiu da posição 35 para 16, e a Nigéria subiu de 23 para o 13.
Os resultados do relatório, de acordo com o presidente do escritório americano da Open Doors, Carl Moeller, podem ser atribuídos ao extremismo islâmico.

Moeller afirma que: “De acordo com nossa pesquisa, a tendência está na Nigéria, no Sudão, por toda aquela região da África, onde o extremismo do norte pretende pressionar os cristãos e animistas do sul. Estamos vendo muita violência, e a Nigéria é um grande exemplo disso. O sul do país é praticamente todo cristão, evangélico, pentecostal, bastante vigorosos no seu cristianismo”.
Moeller diz ainda que o norte do país é completamente diferente.
“O norte é dominado politica e religiosamente por elementos extremistas caracterizados pelo grupo radical Boko haram”.

Esse nome, que vem de uma região da Nigéria que viu aumentar a violência anticristã, significa "a educação ocidental é um pecado”.
A rejeição ao Ocidente parece total para os membros desse grupo, segundo Moeller.
“O Boko Haram, em pleno Natal, bombardeou cinco igrejas na Nigéria, e há poucos dias explodiu bombas na cidade de Kano, onde diversas áreas estão em estado de emergência”, acrescenta.
Moeller acredita que a maioria dos muçulmanos não aspira à violência.

“Há um grande debate dentro do próprio islã. Ainda há vários estudos abrangentes que indicam que a grande maioria dos muçulmanos não possuem perspectivas violentas. Isso ocorre no Ocidente e em todos os outros lugares. Milhões de muçulmanos são capazes de viver em paz com seus vizinhos de outras religiões pelo mundo” observa Moeller.
No entanto, o problema é quem parece estar guiando o movimento.

“A forma como as ideias muçulmanas são propagadas pelo mundo está em sua maioria nas mãos dos extremistas. São eles que clamam fidelidade aos ensinamentos de Maomé e do Corão. Ao fazer isso, eles se posicionam como verdadeiros crentes do islã, e isso é um forte argumento para aqueles que querem ser fieis à sua herança religiosa”, afirma Moeller.
O extremismo está crescendo como uma proporção do islã mundial.

“Estamos vendo a natureza dos atos de violência se tornando mais extremos e mais difundidos. Há uma ou duas décadas atrás, ela era bastante limitada a homens-bomba no centro do Oriente Médio, da Palestina e alguns outros lugares. Hoje estamos vendo ataques de homens-bomba na Ásia, na Indonésia, na África, na Nigéria, por todo o mundo, e isso é preocupante para todos os cristãos que vivem nesses países”, afirma Moeller.
Embora concorde com os números da perseguição, a editora do site Atlas Shrugs questiona a questão do extremismo.

“O que o Dr. Moeller chama, na melhor das intenções, de ‘extremismo’ é na verdade o comportamento islâmico predominante”, afirma Geller.
“Ele é sancionado, e mesmo estimulado pelo Corão e por Maomé. Os ‘extremistas’ são na verdade os muçulmanos que ousam ser pacíficos”, afirma.
Moeller diz que há uma tendência visível que se segue a um aumento da população muçulmana de qualquer país.

“Vemos claramente que em lugares onde a educação islâmica é dominante, o extremismo tende a ser mais popular. Podemos ver as revoluções que aconteceram no ano passado como um exemplo disso. Derrubar um ditador é maravilhoso, e como americanos na nossa liberdade, ecoamos isso. A grande questão no momento é pelo que esses ditadores estão sendo substituídos, pois parece que o islamismo radical está saindo na vantagem em todas as eleições e em todas as novas formações de governo que estão acontecendo no norte da África. O Egito, por exemplo, pode em breve estar sob controle da Irmandade Islâmica, uma organização cujo propósito é criar um califado mundial, uma sociedade muçulmana. Em 2012, talvez vejamos uma transição para o extremismo apoiado pelo governo, e isso também é preocupante”, afirma Moeller.

Jonathan Racho, do International Christian Concern, uma organização cristã de direitos humanos, diz que concorda com as conclusões do relatório sobre o aumento da perseguição.
“Como se pode ver no relatório, a perseguição de cristãos acontece em sua maioria nos países islâmicos”, afirma. “A perseguição de cristãos está piorando, e o mundo precisa estar atento a esse problema”.

Os países de 11 a 20 na classificação são Eritréia, Laos, Nigéria, Mauritânia, Egito, Sudão, Butão, Turcomenistão, Vietnã e Chechênia, também dominados por interesses muçulmanos.
Os “aliados” dos EUA que estão entre os 50 países que mais perseguem cristãos são China, Kuwait, Turquia e Índia.

O relatório aponta que na Coréia do Norte, a população cristã entre 200.000 e 400.000 continua na completa clandestinidade, enquanto que outros 50.000 a 70.000 estão em “terríveis campos de trabalhos forçados”.

Segundo Moeller, “Como a morte de Kim Jong-il no mês passado e a sucessão do seu filho Kim Jong-Un irão afetar a condição dos cristãos na Coréia do Norte é difícil de determinar ainda tão cedo. Certamente a situação para os crentes continua perigosa.

Ser um cristão árabe ou praticar o cristianismo secretamente em um país dominado pelo islamismo é um desafio enorme. Os cristãos geralmente são perseguidos por extremistas, pelo governo, pela comunidade e até pelas próprias famílias. Como reflete o relatório World Watch List publicado este ano, a perseguição de cristãos nesses países muçulmanos continua a crescer. Embora muitos tivessem achado que a Primavera Árabe traria mais liberdade, incluindo a liberdade religiosa para as minorias, é certo que isso ainda não foi o caso”.

O relatório afirma que mais de 300 cristãos foram mortos por sua fé na Nigéria no ano passado, embora se acredite que o número real seja o dobro ou o triplo disso.
Ele afirma ainda que a China possui a maior igreja perseguida, com 80 milhões de membros, mas sua posição caiu dos principais 20 este ano para a posição 21. No ano passado o país estava em 16. Isso se deve em grande parte ao fato de os pastores de igrejas domésticas terem aprendido a brincar de “gato e rato” com o governo.

A lista é baseada em um questionário desenvolvido pela Open Doors para medir o grau de perseguição em mais de 60 países. Os questionários são preenchidos pela equipe da Open Doors atuando nos países, e então cruzados com a ajuda de especialistas independentes para chegar a uma pontuação numérica por país. Os países então são classificados de acordo com a pontuação.

Tradução: Luis Gustavo Gentil
Título original: MUSLIMS GLOBAL LEADERS IN PERSECUTING CHRISTIANS

segunda-feira, 5 de março de 2012

Cristãos no Iraque estão sendo perseguidos



CINTURÃO ÁRABE PRECISA DO NOSSO CLAMOR

Veja abaixo o documentário - Iraque fé acima de tudo, os Cristãos perseguidos

IRAQUE: não há mais lugar seguro



A região norte do Iraque até pouco tempo era considerada uma região segura para a comunidade cristã, mas recentes ataques a empresas de proprietários cristãos ameaçam a segurança nessa região.


No dia 02 de dezembro de 2011, durante uma pregação, o Mullah Mala Osman Ismail Sindi reclamou sobre a corrupção moral no norte da cidade de Zakho. Incitado pelo sermão, um homem muçulmano se levantou e começou a gritar os nomes dos comerciantes cristãos da região.
Motivados por essa iniciativa, logo um grupo se formou e, carregando cartazes que diziam “Não há deus, senão Alá”, atacou e queimou cerca de 30 empresas pertencentes a cristãos. Os homens também tentaram atacar outro bairro considerado de maioria cristã, mas foram parados pelas autoridades. Uma equipe da Voz dos Mártires que trabalha nessa localidade teve que sair rapidamente.






sexta-feira, 2 de março de 2012

EXCELENTE NOTÍCIA !! Diplomacia brasileira intervém e autoridades iranianas garantem que Yousef Nadarkhani está vivo e não será condenado à morte


 Após as conversas entre a Frente Parlamentar Evangélica e o governo federal, representado pela ministra chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffman e pelo ministro das relações exteriores, Antônio Patriota, novas informações sobre o caso do pastor Yousef Nadarkhani surgiram nas últimas horas.
Segundo o deputado evangélico Carlos Bezerra Junior, a pressão diplomática exercida pelo Brasil junto às autoridades iranianas surtiu efeito: “Ótima notícia! Autoridades diplomáticas iranianas responderam ao governo brasileiro afirmando que o Pr. #Nadarkhani não será condenado à morte. A pressão diplomática brasileira tem surtido efeito no caso do Pr Nadarkhani, q envolve grave violação do Direitos Humanos. #intolerânciaNão”, publicou ele em seu perfil no Twitter.
O encontro entre os parlamentares da bancada evangélica e o ministro Antonio Patriota foi relatado pelo deputado federal e cantor Marcelo Aguiar, em entrevista à TV Record. Aguiar afirmou que os diplomatas iranianos garantiram às autoridades brasileiras que o pastor está vivo e que as perspectivas são boas: “Ficamos esperançosos e confiantes na gestão do governo brasileiro em favor desse cristão que nada mais fez do que professar sua fé em Jesus Cristo”.
Participaram da reunião com o ministro, além de Marcelo Aguiar, os deputados Marco Feliciano, João Campos, Anderson Ferreira, entre outros. Aguiar afirmou ainda que segundo o ministro Patriota, o momento é de humildade e paciência, para que a situação, que ainda é delicada, não seja agravada.
Assista abaixo a reportagem do Jornal da Record com entrevista do deputado Marcelo Aguiar:



ENTENDA O CASO CLICANDO  AQUI